Um novo tempo para amar

Hoje em dia, tudo muda numa velocidade assustadora. Ironicamente, os conceitos de tempo e espaço estão cada vez mais 'atrasados'. O tempo passou a ser medido pela multiplicidade de tarefas ou ações que você pode exercer em um espaço cronológico.
A partir do momento em que se acorda, o cronômetro dispara: banhar, vestir, perfumar, apressar, correr, trabalhar, ouvir, atender, conversar, lanchar, digitar, arquivar, esperar, voltar, almoçar, teclar, dormir, acordar, sonhar (sim, é nesse momento que tenho tempo pra sonhar), banhar, vestir, perfumar, apressar, correr, estagiar, ouvir, ver, escrever, lanchar, anotar, renomear, esperar, voltar, teclar, aguardar, aguardar, aguardar, cansar, dormir e desligar o cronômetro para religá-lo no dia seguinte. Mas não esquecer que, antes de desligar o cronômetro, é preciso avaliar a "produtividade" do dia. Ela é essencial para o planejamento da próxima diária.
Onde encaixar as relações nesse espaço de tempo? Que "verbo de ação" perdeu o espaço entre o ligar e o desligar do cronômetro? Amar!!! (sim, verbo de ação. Decidimos amar ou não).
As pessoas querem ser amadas, mas não estão disposta a gastar seu tempo com o amor. Elas idealizam e procuram, mas nunca encontram. E, sinceramente, dessa forma nunca irão encontrar. Não vão encontrar porque o amor ideal está apenas na cabeça (e na TV também). O amor ideal é loiro, tem olhos claros, um belo carro, um sorriso perfeito, é solteiro (de preferência) e mora numa mansão em frente ao mar.

Exageros à parte, mas a imagem criada de um par perfeito torna-se prejudicial quando se atribui à características físicas ou bens materiais a idéia de um "amor de verdade".
Desde crianças, somos ensinados a crer nos contos de fadas. Tudo bem, a ludicidade faz parte da infância. O problema é que trazemos para a vida adulta esses estereótipos criados a partir de uma ideologia. Mas não tenho pretensão em discutir, aqui, ideologias e nem tampouco convencer ninguem de que o "verdadeiro amor" é pobre, feio e negro. Só gostaria de alertar para o perigo de se idealizar e personificar o "amor".
Atualmente, os relacionamentos amorosos estão sendo banalizados e descartáveis. Se hoje estamos namorando e amanhã não estamos mais, fazemos questão de estampar "o novo amor" na cara do antigo. Fazemos questão de colocar em letras garrafais no orkut: NAMORANDO. PROBLEMA SEU, QUE ME PERDEU. Ou seja, sempre quem perde é o "outro (a)", pois em qualquer esquina arruma-se um "amor" melhor.
Tenho a sensação de que, apesar de buscar-se tanto pelo amor, as pessoas estão acreditando, cada vez menos, nele ou, pelo menos, estão tendo uma visão errônea do que é amar.
Não sou "expert" no assunto e nem pretendo ser o "dono da verdade" em minhas colocações. Mas, quando penso no amor, penso na simplicidade de gestos, na cumplicidade de momentos, no cuidado com o outro. Penso na ligação perguntando como foi o dia, no olhar apaixonado depois da colherada de sorvete, no sms desejando um "boa noite, durma bem".
Quando penso em amor, penso nos olhos fechados ao beijar, no toque das mãos, no abraço apertado antes de sair. Ao pensar no amor, lembro do quanto escrevi, do quanto dediquei músicas e do quanto sussurrei palavras ao ouvido. Penso no quanto admirei ao olhar, no quanto sofri ao partir e das vezes que chorei por não encontrar outra forma de dizer: "Eu te amo".
Os tempos podem até não ser propício ao romantismo, mas nunca vou deixar de crer que há sempre um novo tempo para amar e uma nova forma de descobrir o que é o amor.

Ferro.

17 comentários:

Anônimo disse...

Texto perfeito, quer dizer mais que perfeito. Ferro, tu sabe como colocar as palavras e é praticamente uma lição de vida, para quem ainda não descobriu o amor, para quem se decepcionou com um e para quem não tem tempo de amar. Mais isso é coisa da nossa cabeça, pois qualquer tempinho é tempinho para amar.
Adenilson de Oliveira.

Ricardo Cruz disse...

Meus parabéns cara, sinceramente foi um dos melhores textos que já li.

Continue compartilhando conosco suas idéias e pensamentos!

Abraço.

♦ stefαni berdusco disse...

Concerteza este foi um dos melhores textos que já li. Parabéns, você é otimo!

Hertammy disse...

Amiigo,meus parabens!Txto tremendo,traz em foco a dura realidade do amor..Bjos

Anônimo disse...

preciso crer de novo que esse tempo existi pra mim.!
Lnda a postagem Ferro.
Saudades de converssar com vc no msn hehe.
Se cuida.
Abração.

Jacke disse...

Excelente texto! Concordo plenamente com ele.

joelrlima disse...

Amei, meu grande amigo.
parabéns por esta linda reflexão sobre o amor.

Ah, tem tantas pessoas que precisavam lê isso.
kkkkkk

abraçao

Kenia disse...

More amei!
Mesmo com tudo de ruim q existe ao nosso redor,e toda correria do dia-a-dia não podemos esquecer ou deixar de amar! por isso Te AMo muitão!

Gaby Pardal disse...

Amor. uma palavra tão pequena, que possui um grande poder.Amar e não ser amado. Não reconhecer que está amando, e deixar o vento levar... uma... grande... história... de amor?
Amar e ser amado. Eis a questão.

Karina Müller disse...

Inenarrável.
Posso compartilhar esse maravilhoso texto no meu blog?
abraços

Edivaldo disse...

Simplesmente sensacional. Texto apaixonante. Parabéns por conseguir ter percepção em dias de hoje, e principalmente por conseguir redigir isso de forma tão simples e tocante.

Gizelle Macedo disse...

tão tão lindo Ferro! s2

Bié disse...

É complicado nao ficar me repetindo em elogios e que depois de algum tempo palavras vão se tornando de fato poucas. . . posso dizer que emocionei-me e talvez 'ja avisando' irei roubar este para colocar em meu blog em homenagem a vc. rs.

Nerias disse...

É Ferrinho... amar é algo realmente complexo... mas, tenho tido uma visão razoável do amor... a de escolhi amar... escolhi gastar tempo, escolhi admirar, escolhi entender e dar o braço a torcer... se o patrão vai achar bom eu não sei... mas escolhi ser o melhor amante do mundo!

Te amo mano véi... desculpe a falta de comentários...

Bjão, Nerias.

Dilmara Tavares disse...

Nossa fique até sem palavras no momento,mais enfim texto é excelente...PARABENS!

clayanderson disse...

ér muitoo tocante fala do jeito de amar a seu poonto de vista i do meu tanbem Resumiu tudo em pooucas palavras Gostei muito msm Parabéns ♦

Manoel Mougeot disse...

"O amor ideal é loiro, tem olhos claros, um belo carro, um sorriso perfeito, é solteiro (de preferência) e mora numa mansão em frente ao mar." Adorei! essa é a descrição do namorado da Barbie, acho que vou comprar um rssrssrs
adorei o post, o blog é incrivel